Não está no guia

Morretes/Antonina – PR

As férias de Julho são tão curtas! Tenho saudade do tempo em que tínhamos um mês de férias nesse período! Por que estou falando das férias de Julho? Oras, porque o tempo passa voando e só tive tempo de escrever sobre as férias de Julho agora! Ou… porque deixamos a rotina nos consumir e deixamos de fazer aquelas coisas que tanto nos fazem bem, como viajar, fotografar e escrever sobre as viagens!

Mas, vamos lá!

Tivemos apenas uma semana para visitar um pouco a família e fazer uma viagem pra não passar em branco nossas “férias”! Resolvemos, então, conhecer Morretes. Fomos de ônibus até Curitiba, pois é de lá que sai o trem e aproveitamos para visitar uns amigos e ir ao Museu Oscar Niemeyer. Já contamos como foi essa passagem em outro post:

https://naoestanoguia.wordpress.com/2013/08/01/a-magia-de-escher/

Quando chegamos em Curitiba, a primeira coisa que fizemos foi comprar nossas passagens de trem. Pois uma parte importante da viagem era ir de trem até lá, pela Serra do Mar Paranaense! Dica: comprar com antecedência as passagens. Quanto aos preços das passagens variam bastante, veja no site do Serra Verde Express. Nós escolhemos o vagão turístico, pois nos disseram que seria interessante ter um guia para nos contar um pouco da história e apontar os pontos mais curiosos do trajeto. Pagamos R$ 84,00 em cada passagem, mas para economizar voltamos de ônibus (Morretes – Curitiba) e pagamos uns R$15,00 em cada passagem.

São 110 quilômetros viajando pela maior área preservada de Mata Atlântica do Brasil e por uma ferrovia com 128 anos de história. O Trem da Serra do Mar Paranaense parte diariamente de Curitiba rumo à cidade de Morretes e aos domingos chega também em Paranaguá. São aproximadamente 3 horas de viagem. (http://www.serraverdeexpress.com.br/)

A paisagem é fantástica, mesmo com chuva e nevoeiro!

Morretes

Chegamos em Morretes próximo ao horário do almoço, então os primeiros passos são: ir para o hotel, largar as mochilas e procurar um lugar para comer!!! Uma das coisas que eu mais gosto ao conhecer novos lugares é provar novos sabores. O prato típico da região é o barreado! Então, fomos a procura do famoso prato! Não vale a pena viajar o mundo e só comer aquele fast food que você encontra perto de casa! Por isso, recomendo: experimente a comida local. Outra iguaria da região é a banana chips, são fatias muito finas de banana fritas doces ou salgadas. Também são ótimas, assim como a bala de banana e a cachaça de banana!

Morretes não é famosa apenas pela gastronomia, é uma cidade que chama a atenção também pela arquitetura antiga já que foi fundada em 1733 e pela geografia, pois situa-se na região da Serra do Mar e possui a segunda maior elevação do Paraná, o Pico do Marumbi com 1516 metros de altura.

Antonina – Festival de Inverno

Chegando em Morretes, descobrimos que estava acontecendo o 23º Festival de Inverno da UFPR! O festival acontece sempre no mês de Julho e traz espetáculos, exposições, oficinas e feira gastronômica. E como somos apaixonados por arte, não perdemos tempo e fomos procurar como chegar em Antonina. Fomos de metropolitano que sai de hora em hora, a distância é de apenas 15km, pagamos R$ 4,50 por passagem e chegamos muito rápido. Assistimos duas apresentações, entre elas fizemos um lanchinho e voltamos correndo pra não perder o último ônibus de volta a Morretes, que saía as 21:2o. Mas, verificamos que o horário mudou e hoje o último horário é 23:15. Então se você pretende ir a Morretes ou Antonina, aproveite e visite as duas cidades. Antonina foi fundada em 1714, um pouco mais antiga que Morretes. Portanto, a arquitetura em Antonina chama tanto a atenção quanto em Morretes. Não tivemos tempo de andar com calma pelas ruas da cidade, afinal foi uma passagem muito rápida. Mas, uma senhora muito simpática que participava da organização do Festival de Inverno nos disse que Antonina era muito mais interessante, pois haviam mais restaurantes com cardápios mais variados e a vida noturna era mais agitada. Essa viagem só nos deixou com mais vontade conhecer tanto Antonina quanto Morretes. Com certeza, voltaremos!

Estação das Artes – Morretes

No último dia de viagem em Morretes, encontramos a Estação das Artes. Lá você encontra artesanatos e a famosa banana chips, além de doces e cachaças. Trouxemos de lá uma carranca (parecida com a da foto) de um “mico-leão-dourado”. A artesã aprendeu com os índios e faz as carrancas com cascas de coqueiros. Segundo a tradição indígena, o artesão tem que ter a sensibilidade de olhar para as cascas e distinguir qual animal está representado nelas.

Não está no guia

Encontrar pessoas como o Seu Zico Loco é o tipo de coisa que realmente não está no guia! Procurando um lugar para almoçar, com um cardápio variado e saboroso e preço justo? Não deixe de visitar o Hiper Gula, restaurante do Seu Zico! O ambiente é muito agradável, Seu Zico sabe acolher sua clientela e se você tiver um tempo pra bater um papo, pode ter certeza de que isso vai ser um prazer para ele!

Anúncios

Sobre Andressa

Professora de filosofia que gosta de viajar, fotografar, cantar, cozinhar, entre outras coisas. Faz aulas de piano, mas ainda não toca nem o "Parabéns pra você". E, até hoje, não conseguiu entender por que as pessoas riem mais dela quando ela é ela mesma do que quando ela conta uma piada.

Um comentário em “Morretes/Antonina – PR

  1. Pingback: Antonina / Morretes / Paranaguá / Curitiba / Lapa | Não está no guia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em dezembro 11, 2013 por em Geral, Viagens, Viagens de trem.
%d blogueiros gostam disto: